11/07/2016

Nostalgia

Foto via Pinterest

Era estranho caminhar por aquela rua outra vez. Fazia tanto tempo que não andava por ali, cinco anos, para ser mais exata.

Mas naquele domingo, tinha ido visitar uma amiga naquele bairro e, na saída, acabou entrando naquela rua.

As lembranças a invadiram com tanta força, que ela precisou parar o carro. Estacionou ali perto e resolveu caminhar naquela rua, afinal já estava na hora de deixar aquelas lembranças para trás e seguir com a sua vida.

De longe, avistou o Café, aquele mesmo, onde ela costumava passar horas do seu dia... com alguém.

"Ah, esse alguém!", ela suspirou com a lembrança, com ele havia passado tantos momentos lindos ali, naquele Café, que eles costumavam chamar de 'nosso Café'.

Tantas conversas boas, tantos risos...

Pena que tudo havia terminado e o seu coração, desde então, estava partido.

Lembrou com detalhes daquele dia, há 5 anos, quando ele lhe contou que estava indo morar no exterior. Pediu-lhe um motivo para ficar e ela apenas calou-se. Como poderia abrir o seu coração para ele, quando já tinha sido magoada tantas vezes. Sabia que ele era diferente, mas ainda assim tinha medo, não estava pronta, não conseguiu dizer nada. Ele apenas assentiu, abraçou-a e partiu.

Quando despertou das lembranças, já estava parada na frente do Café. Abriu a foto devagar e imediatamente sentiu aquele cheiro de cappuccino, o favorito dele.

Sorriu.

"Ah, se ele estivesse ali", pensou, com um pouco de nostalgia, "eu faria tudo diferente, abriria meu coração, lhe pediria perdão mil vezes, se fosse preciso, por não ter lhe dado aquele motivo para ficar."

Sabia que aquilo era impossível, mas ainda assim, um pequeno raio de esperança invadiu-lhe o coração.

Involuntariamente, olhou para a mesa no cantinho, onde eles sempre sentavam. Havia um homem, com casaco e um gorro azul, cabeça baixa, encarando a xícara.

"Não é possível", ela pensou, então o homem levantou a cabeça... e a viu.

"Ai meu Deus", ela falou baixinho. Tinha feito uma promessa, agora teria que cumprir, queria cumprir, mas não pode deixar de sentir aquele frio na barriga. E se ele estivesse com outra pessoa? Se nem se lembrasse mais dela?

Aproximou-se devagar.

O que ela não sabia era que ele tinha acabado de fazer aquela mesma promessa, enquanto encarava seu cappuccino com nostalgia.

Durante esses cinco anos, ele havia sofrido por não ter aberto o coração para ela naquela noite. Tinha sido um tanto covarde ao pedir que ela lhe desse um motivo para ficar. Deveria ter dito para ela tudo o que sentia, sabia o quanto ela havia sido magoado por outros rapazes, deveria ter tomado a iniciativa e provado pra ela que era diferente, mas agora ela estava ali, na sua frente, e ele cumpriria sua promessa.

- Oi -  ele disse sorrindo, quando ela chegou à mesa.

- Oi - ela respondeu com um sorriso tímido.

As palavras foram poucas, mas quando os olhos se encontraram, eles souberam que havia mais, muito mais.

____________

Esse texto foi inspirado na música Cappuccino, do Henrique Cerqueira. Vou deixar vídeo da música aqui embaixo.


Beijos e até a próxima!

Nos acompanhe também nas Redes Sociais:
 Instagram - Twitter - Skoob - Facebook - Pinterest 

Postado por Ellem Barboza

Pernambucana, cristã, leitora compulsiva, viciada em música e colecionadora de primaveras e sonhos.



1 comentários

  1. Ai, não tem como não suspirar com esse final né...
    Adorei a música, e que inspiração mais linda <3
    É bom ler um textinho assim pra aquecer o coração e sentir um pouco de nostalgia também!

    Beijos, Luh!
    https://heartbreaker-girls.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir