14/10/2015

O namorado da minha avó

Via Pinterest

Era um dia comum como qualquer outro.

Fim de tarde, ele voltava do trabalho. Estava cansado, então, resolveu parar em uma venda que havia no meio do caminho, ele sempre fazia isso em dias cansativos, parava, tomava um copo d'agua, conversava alguns minutos e depois seguia seu caminho.

Desceu do cavalo, amarrou o bicho no tronco de uma árvore e entrou.

Então ele a viu, e o dia deixou de ser comum.

Ela estava próxima ao balcão, conversava com a esposa do dono da venda, os cabelos escuros soltos contrastavam com a pele clara. Ela virou-se na sua direção e ele notou, encantado, que os olhos dela eram de um tom azul acinzentado, ele nunca vira olhos como aqueles, suaves, brilhantes, penetrantes.

- Quem é a moça? - perguntou ao senhor de cabelos grisalhos, que estava atrás do balcão.

- É Maria - respondeu o senhor, com um sorriso nos lábios.

Os dias se passaram e ele não conseguia parar de pensar Maria. Sabia que estava errado, não podia deixar aquele sentimento, seja lá qual fosse, crescer dentro dele, afinal, estava comprometido com outra moça e o casamento aconteceria em algumas semanas.

Tentou lutar contra o que sentia, mas foi em vão, Maria havia fisgado seu coração no momento em que o olhou, com aqueles olhos da cor do céu em um dia nublado.

Então, tomou uma decisão. Acabou com o noivado.

"Você está maluco", todos, inclusive seus pais, lhe diziam,  "terminar com um noivado de tanto tempo, com uma moça tão boa".

Mas ele nem se importava, só sabia que não podia se casar com uma mulher quando seu coração pertencia a outra.

Naquele mesmo dia, ele foi à casa de Maria. Quando chegou lá, encontrou-a molhando as plantas, ao lado da casa. Ao vê-lo chegar, ela sorriu e ele soube, pelo brilho daquele sorriso, que Maria também o amava.

Pediu-a em namoro e ela, corando, disse "sim".

Casaram-se depois de alguns meses e foram muito felizes até que a morte resolveu separá-los.

Essa é a história de amor dos meus avós. Minha avó, Maria, me contou essa história tantas vezes e eu nunca me cansava de ouvi-la. E o que eu mais gostava era que, mesmo muitos anos depois da morte dele, os olhos dela ainda brilhavam ao falar sobre ele.

Eu não cheguei a conhecer o namorado da minha avó, ele se foi antes de eu nascer, mas mas se tem uma coisa que eu aprendi com ele foi nunca me conformar com algo que não me faz feliz.


Esse texto é referente ao Projeto 642 coisas sobre as quais escrever.
Tema 278: O namorado da minha avó.


Beijos e até a próxima!

PS: Vem responder a nossa Pesquisa de Público, é um minutinho só :D

Nos acompanhe também nas Redes Sociais:
 Instagram - Twitter - Skoob - Facebook - Pinterest 

Postado por Ellem Barboza

Pernambucana, cristã, leitora compulsiva, viciada em música e colecionadora de primaveras e sonhos.



6 comentários

  1. Oie ...
    Que história linda ! É um exemplo de vida :)
    Quem me dera ter uma coragem assim ...

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, é preciso muita coragem pra fazer isso <3
      Beijo

      Excluir
    2. Pois é, é preciso muita coragem pra fazer isso <3
      Beijo

      Excluir
  2. Nossa que história linda,não devemos mesmo nos conformar com uma coisa quando a mesma não nos faz feliz.
    Amei *-*
    Bjnhs

    http://karoline-o-meu-melhor.blogspot.com.br/2015/10/tchauzinho.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, quem sabe quando a oportunidade de ser feliz vai aparecer de novo?
      Beijos

      Excluir
  3. Bom Dia,
    Tudo bom? Meu nome é Raquel Machado sou autora do Vingança Mortal e vi que você deixou um comentário sobre meu livro no blog Obsession Valley. Gostaria de te convidar a conhecer um pouco mais sobre minha história e também avisar que estou com parcerias abertas. Caso queira saber mais é só me enviar um e-mail raquel.machado2014@yahoo.com.br. VOu adorar te responder. PS: Adorei a história
    Beijos
    Raquel Machado
    Escritora Vingança Mortal
    leiturakriativa.blogspot.com.br/p/vinganca-mortal.html

    ResponderExcluir