06/02/2015

Como aprendi a me amar?

Olá pessoal!
Estou participando de um projeto super mega ultra legal chamado Me amo assim. O projeto é organizado pela Simone Montilares e pela Carolina Inthurn e tem como objetivo promover o amor próprio. Achei uma fofura e, claro, fui correndo participar.


O tema desse mês é Como aprendi a me amar? Então, vamos lá...

Desde criança que eu sou bem magrinha, sério, super magrelinha mesmo. Na infância eu escutava muuuuitas piadinhas daquele tipo: "Essa menina vai entrar numa garrafa", "Qualquer dia ela some", "Olívia palito" (essa é clássica kk), "Perna de sibito", e etc, tinha gente que até perguntava se eu passava fome ¬¬.



E nem pensem que a minha magreza era falta de esforço, minha mãe e, principalmente, minha avó tinham como missão pessoal me engordar e já me deram de tudo: Biotônico, vitaminas, um tal de um remédio de peixe (que era horrível), mas não teve jeito.

No começo, eu nem me incomodava com isso, mas quando cheguei à adolescência, as piadinhas começaram a me atingir e eu ficava bem chateada em ouvi-las, embora tentasse disfarçar, era muito ruim ver minhas amigas todas ganhando "corpo", enquanto eu continuava a magreza em pessoa.

E para completar, eu ainda era baixinha e tinha cabelo crespo e volumoso, aí o pacote ficava completo e minha auto-estima ia lá pra baixo. Eu não gostava muito de sair e sempre ficava super preocupada com o que as pessoas estavam pensando de mim.

Eu não sei dizer exatamente quando nem como tudo isso começou a mudar, mas aos poucos, fui aprendendo a me aceitar do jeitinho que eu sou. Sei que Deus me criou assim e tenho certeza de que sou muito especial e amada por Ele.


Comecei a ver meu corpo de outra forma. E daí que eu sou magrela? E daí que minhas pernas são finas? E daí que o meu cabelo não é liso? Eu não preciso ser regida pelos padrões da mídia, posso ser linda do jeito que eu quiser ser.

Principalmente, aprendi que beleza vem de dentro, se estou feliz, todo o meu exterior diz isso e só posso estar feliz, estando bem resolvida comigo mesma.

Hoje, eu ainda não posso dizer que estou 100% com minha auto-estima, vez ou outra bate aquela deprê, mas eu começo a lembrar do que realmente me importa e ela vai embora rapidinho. Também não estou super satisfeita com meu peso, mas não é por questão de estética. Estou tentando chegar aos 50Kg pra poder realizar um sonho antigo, que é doar sangue ♥.

Essa é mais ou menos a história do meu amor próprio. E vocês, como começaram a se amar?

Ah! Quando estava escrevendo esse post, lembrei de uma música que eu amo e acho que tem tudo a ver com o tema, vou deixá-la aqui pra vocês escutarem.


"Nunca deixe alguém dizer que não é querida, 
antes de você nascer, Deus sonhou com você."

Beijos e até a próxima!
Não esqueçam de conferir os textos das outras meninas, vou citar algumas aqui: Jéssica, Thaís e Amannda.

Acompanhe também nas Redes Sociais:
 Instagram - Twitter - Skoob - Facebook - Pinterest 

Postado por Ellem Barboza

Pernambucana, cristã, leitora compulsiva, viciada em música e colecionadora de primaveras e sonhos.



12 comentários

  1. Oi, querida!
    Adorei a iniciativa e mais ainda ver que você começou a valorizar quem você realmente é, hoje em dia não só a mídia, mas tudo oque nos envolta, coloca na nossa cabeça que temos que ser de um jeito que não é da nossa natureza ser, oque acaba levando mulheres à baixa auto-estima e em casos mais graves até depressão.
    O amor próprio é uma das melhores formas de amor, pois nos conhecemos e sabemos do que precisamos, na medida certa. Espero que, assim como você, muitas outras mulheres possam se olhar no espelho todos os dias e dizer ''eu sou linda, eu me amo'', o planeta agradece.

    Tem sorteio lá no blog, corre lá :)
    http://www.livrologias.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Isabella, o melhor que podemos fazer por nós mesmas é nos amar assim como somos, isso traz uma paz e uma felicidade tão grande *----*
      Beijos

      Excluir
  2. Partilho do mesmo sentimento que você por sempre ter sido magra, mas o importante é o que somos por dentro e isso transparece no nosso exterior... Também tenho dúvidas as vezes, mas logo elas passam. Amo essa música, é linda.
    Beijo, beijo, beijo!

    www.vanviroumodinha.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, o que importa realmente é o interior, é nos sentirmos em paz com nós mesmos *--*
      Eu amo essa música <3
      Beijos

      Excluir
  3. Teve um tempo que vinha sina era emagrecer. Nao sou tao gorda mas tenho aquela barriguinha sexy sabe? Rsrs. Isso me incomodava demais. Ficava horas e horas na frente do espelho me imaginando magra e me criticando por nao ter força de vontade o suficiente para emagrecer. Mas de uns tempos pra cá, vi que não preciso ser magra pra ser bonita e muito menos pra me amar. Sou linda como sou, e se eu não me amar quem vai? E aprendi que de todos os amores o mais precioso é o amor próprio.

    Beijos da Nada Neurotica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Dieniffer, às vezes as pessoas ficam tão 'bitoladas' em mudar o corpo e etc que acabam esquecendo do que realmente importa :/
      Uma das melhores coisas do mundo é estar em paz com seu próprio corpo *-*
      Beijos

      Excluir
  4. Que legal esse projeto! Acho que no fundo todo mundo já teve aquele dia de autoestima baixa, de se sentir péssimo, mas outros passam por isso com uma frequência maior. Entendo bem o que vc quis dizer pq ja passei mt por isso tbm, e hj de alguma forma consegui melhorar, embora não completamente. Sempre bate aquela fossa que dá vontade de se trancar no quarto e não sair nunca mais ne, mas acho que essas decaídas fazem parte até, o importante é não se encucar mais tanto com isso e ser feliz, seja lá o que as pessoas pensem, ja que nao importa a opiniao dos outros ne!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova no blog de "Um Caso Perdido", vem conferir!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, sempre bate aquela deprê mesmo, mas temos que nos lembrar o que relmente importa, que as opiniões dos outro só vão nos atingir se permitirmos que isso aconteça!
      Beijos

      Excluir
  5. Oi Ellem,
    Que legal esse projeto!
    Lendo seu post lembrei muito da minha adolescência. Passei por probleminhas de auto-estima também e sei como é difícil lidar com isso. Para mim, qualquer amiga era perfeita, ou melhor, qualquer pessoa comparada a mim era perfeita. Nada me agradava em minha aparência. Cabelo era cheio, nariz muito grande, pé feio, voz chata, muito tímida...e assim vai.
    Também não sei quando isso começou a mudar, mas posso dizer que quando isso aconteceu tudo ficou melhor. Se estou bem comigo, me torno uma pessoa mais feliz, alegre e simpática. As pessoas desejam ficar perto, pois nos tornamos uma companhia agradável. É verdade que às vezes fico meio depre, como você mesma disse, mas isso é natural. Ninguém é perfeito e temos dias bons e ruins. O segredo é amar si próprio e aprender a ser forte mesmo nas adversidades da vida!
    Vou agora conhecer mais o projeto :)
    Beijos,

    versosenotas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Bárbara, esses problemas na adolescência costumam fazer um grande estrago na nossa vida :/
      Mas quando passamos a nos aceitar e nos amar como somos, tudo muda pra melhor!
      Beijos

      Excluir
  6. Olá Ellem,
    Adorei a iniciativa e o texto. É natural sentirmo-nos mal quando começamos a tomar consciência das coisas, mas precisamos relevar. Há um motivo para tudo em nossa vida. Fico feliz que você tenha 'superado' isso e espero que melhore cada vez mais.
    A iniciativa do projeto é incrível.
    Beijos
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Bruna, esse projeto é puro amor <3
      Também acredito que haja um motivo pra tudo, esses problemas costumam nos deixar mais fortes e decididas :D
      Beijos

      Excluir